Pós-graduação, Mestrado, Doutorado, PhD e Pós-doutorado: entenda a diferença

É incrível como poucas pessoas sabem do que estão falando quando o assunto é pós-graduação. Neste post, vou dar alguns exemplos de concepções erradas e, ao fim, darei uma rápida definição de cada um. Como você verá, uma das origens da confusão está numa categoria misteriosa chamada “pós-graduação lato sensu”.

"Vou fazer uma pós"

Primeiro, entenda que pós-graduação é tudo aquilo que vem depois de uma graduação. Faz sentido, certo? Pois é, mas mesmo assim vejo em diversos sites o seguinte: “pós-graduação, Mestrado e Doutorado”. Fica claro que, para a pessoa que escreve algo assim, pós-graduação é algo diferente de Mestrado ou Doutorado. Contudo, pós-graduação ENGLOBA Mestrado e Doutorado. Essa confusão existe porque no Brasil há dois tipos de pós-graduação: lato sensu e stricto sensu. O primeiro caso serve para cursos de Especialização, por exemplo, que já foram bastante populares no país. O segundo, para Mestrado e Doutorado. Eu pessoalmente não vejo vantagem nenhuma em ter uma Especialização, por várias razões. Portanto, no Brasil, a ordem hierárquica é a seguinte:

1. Técnico
2. Graduação

2.1 Especialização/MBA/Pós-graduação lato sensu
3. Mestrado
4. Doutorado

5. Pós-doutorado

Pós-doutorado já não é mais um “título” propriamente dito, mas sim uma espécie de estágio. Nenhuma posição acadêmica exige um Pós-doutorado, e na América do Norte quem faz um Pós-doutorado é quem não conseguiu emprego após terminar o PhD. Note que numerei Especialização como 2.1, e não 3. Vou dar três razões:

a. Oficialmente, nenhum emprego exige que você seja Especialista. Na verdade, esse “nível” é bastante vácuo academicamente. Pense que ele serve para que você se “atualize” na sua área—apenas isso.

b. Nenhum Mestrado ou Doutorado exige Especialização (ou qualquer outro tipo de pós lato sensu). Ou seja: o 2.1 acima não é pré-requisito para absolutamente nada. Aliás, na América do Norte, é bastante comum sair da graduação e ir direto ao PhD. Claro que isso acontece porque a graduação aqui é mais exigente e avançada, no geral. Para alunos estrangeiros, exige-se um Mestrado quase sempre.

c. No fundo, uma Especialização nada mais é que uma extensão da sua graduação. É como se você ficasse um ano a mais na faculdade. Você precisa entregar uma espécie de TCC, que é bastante superficial se comparado à uma Dissertação, por exemplo.

Pense na seguinte situação: sou formado e quero fazer algo a mais na universidade, mas não quero fazer tudo que um Mestrado exige. O que faço? Resposta: um(a) “pós”. O que esse “pós” significa? Geralmente, uma Especialização ou algo do tipo. Detalhe: cursos lato sensu são pagos, e é claro que aqui há um mercado excelente para sugar o dinheiro de quem acha que está fazendo grande coisa. Cuidado.

Importante: MBA, no Brasil, é lato sensu. Não se engane: embora a sigla queira dizer “MASTER …” em inglês, no Brasil o tal MBA entrou como Especialização. Ou seja: se você tem um MBA brasileiro, você NÃO é Mestre. Existe uma boa diferença entre o MBA brasileiro e o norte-americano—duração, dificuldade, exigência e, certamente, o preço.

O MEC na verdade proibiu a abertura de novas pós-graduações. Leia AQUI.

"PhD = Pós-doutorado, né?"

Não. Perdi a conta de quantas vezes já ouvi isso, inclusive de pessoas que fazem Doutorado no Brasil. Pense assim: a Chevrolet se chama Opel na Alemanha e Vauxhall na Inglaterra. Ou seja: mesma marca, nomes diferentes. O mesmo acontece com títulos. Veja:

Brasil: Doutorado, duração: geralmente 4 anos.
Países de língua inglesa: PhD, duração: geralmente 5 anos (3 na Europa)
Portugal: Doutoramento, duração: geralmente 3 anos

O título é O MESMO. A diferença é o NOME do título, apenas isso. O que acontece é provavelmente o seguinte: como países de língua inglesa têm uma reputação mais elevada, existe a tendência de achar que tudo que é em inglês é melhor ou mais avançado. No fundo, tudo depende de ONDE você fez o seu Doutorado/PhD.

Um PhD talvez seja geralmente visto como melhor porque:

1. é mais longo que um Doutorado, em alguns casos;
2. é geralmente mais exigente (obviamente isso depende da universidade);
3. universidades brasileiras não têm reputação internacional alguma—com exceção de algumas poucas federais, USP e Unicamp.

Além disso, o mundo anglófono tem um status muito bom: a ciência, querendo ou não, é feita em inglês. Isso também colabora com a imagem “superior” que algumas pessoas têm de um PhD. O valor agregado ao título depende da instituição, portanto. Um PhD da Universidade de Perth é muito provavelmente inferior a um Doutorado pela USP. Basta levar em conta qual *universidade* é superior—na sua área.

Um Pós-doutorado é algo que você faz depois de ser Doutor (ou PhD). Geralmente tem duração de 1 a 3 anos, e é uma espécie de “estágio” para que você continue desenvolvendo uma dada pesquisa—sua ou de outro pesquisador/time de pesquisadores.

Concluindo, veja os graus e a sua duração no Brasil e no Canadá (B; C), respectivamente em parênteses. 

Técnico

Graduação (4-5; 3-4)

Especialização (1-1,5; ?*)
Mestrado/Master:  (2; 1,5-2)
Doutorado/PhD: (4; 5-8)

Pós-doutorado/Post-Doc: (1-2; 1-3)

* Há cursos (Diplomas, Certificates) de no nível pós-graduação por aqui também. A diferença é que você passa a ter uma certificação, e não será um “Especialista”, por exemplo.

PS.: o tempo em parênteses é relativo, claro. Menciono a “média” de duração.

Quem faz uma Especialização?
Tipicamente, quem quer continuar seus estudos mas não quer fazer um Mestrado. Uma Especialização é menos longa e menos exigente, e serve basicamente para que você se atualize. Lembre-se: oficialmente, a diferença entre Graduado e Especialista é bastante pequena. Existem professores universitários no Brasil que são apenas Especialistas. Trata-se de um resquício de décadas passadas (note que esses professores são mais velhos). Se você quer seguir carreira acadêmica, pule a tal “pós” ou Especialização.

Quem faz Doutorado/PhD?
Quem quer seguir carreira acadêmica e/ou trabalhar com pesquisa em uma universidade OU em uma empresa privada que financie/procure pesquisadores.

Quem faz Pós-doutorado?

Na América do Norte:

Quem já terminou o Doutorado/PhD e ainda não encontrou o emprego que deseja. Pós-doutorados têm uma bolsa (salário) relativamente alta, e portanto é uma opção bastante viável, embora temporária. Lembre-se: Pós-doutorado é um estágio, e não um título (como PhD). Não existe algo do tipo “Fulano de tal, Pós-doutor”. O título máximo é PhD ou Doutor. Um Pós-doutorado é mais simples, uma vez que não exige a defesa de nenhuma tese (você já fez isso no PhD ou Doutorado). Além disso, é comum que algumas pessoas façam diversos Pós-doutorados—mas é raríssimo encontrar alguém que tenha feito dois PhDs ou Doutorados. Simplesmente porque não há razão: se você quer fazer uma determinada pesquisa, faça seleção para uma bolsa de Pós-doc.

No Brasil:

No Brasil, também é possível encontrar pessoas que fazem pós-Doc porque ainda não acharam o emprego ideal (na universidade que querem etc.). Contudo, também é muito comum ver professores experientes tirarem um ano para fazer um pós-Doc no exterior (ou no próprio país). É relativamente comum ver professores de universidades públicas fazerem isso.

Na América do Norte, professores geralmente não fazem pós-Doc, porque há o “ano sabático”: um período de tempo sem trabalho para que o professor possa apenas pesquisar. Durante esse período, ele pode realizar seus estudos em qualquer lugar: desde sua casa até uma outra universidade. Assim, é menos comum fazer um pós-Doc, já que o ano sabático proporciona exatamente essa experiência ao professor.

As pessoas precisam pensar mais em Técnico e menos em Graduação no Brasil. Há uma multidão que acha que precisa ir para a faculdade, e o resultado é uma população formada com pouca qualidade, uma vez que universidades viraram um negócio rentável no país: você encontra uma a cada esquina. Democratizar a educação é essencial, mas o Brasil tem feito isso de forma a baixar (e muito) a qualidade de ensino. Faltam técnicos em várias áreas no Brasil, e o salário é, muitas vezes, superior ao de graduados: oferta e procura, simplesmente isso.

  1. perfume-espalhado reblogou esta postagem de vieaucanada
  2. vieaucanada publicou esta postagem
blog comments powered by Disqus